Juventude

Próximos eventos da juventude

80 anos de Kristallnacht

Vocês sabiam que judeus liberais criaram um jejum para recordar o Holocausto? O judaísmo liberal luta para manter as tradições judaicas. Com este propósito, estuda nossos livros sagrados e verifica possibilidades de adaptar o judaísmo ao mundo moderno...

#ShowUpForShabbat

Nesse momento difícil, a comunidade judaica do mundo inteiro está de luto em memória das 11 vitimas do atentado em Pittsburgh, Estados Unidos. A Congregação Israelita Paulista adere ao movimento #ShowUpForShabbat e no próximo Cabalat Shabat, sexta-feira,...

Shabat Al Hagag

No dia 9 de novembro, venha participar de um Shabat Al Hagag ao ar livre, com muita música. Cabalat de Shabat participativo a céu aberto, kidush especial e em seguida abriremos espaço para uma jam session deliciosa. Traga seu instrumento e venha curtir...

Avanhandava

Avanhandava

O movimento juvenil Avanhandava surgiu em 1938, em plena ditadura Vargas, tendo de adotar um nome em tupi-guarani para evitar problemas com o governo e, ao mesmo tempo, proporcionar um encontro entre jovens judeus. O grupo ainda passou a utilizar o escotismo como forma educativa, o que acabou se tornando o seu grande diferencial. O escotismo, com todas as suas peculiaridades, acabou se misturando à ideologia judaica e sionista do movimento, sempre ligado à Congregação Israelita Paulista. A plataforma ideológica e o objetivo de formar cidadãos conscientes e preocupados com os valores sociais e ambientais se mantiveram até os dias atuais, influenciando inúmeras gerações de jovens judeus no Brasil.

Colônia da CIP Fritz Pinkuss

Colônia da CIP Fritz Pinkuss

A Colônia da CIP acontece durante as férias na sede da CIP em Campos do Jordão, a 20 minutos do centro da cidade. O acampamento é divido de acordo com a faixa etária das crianças, que variam entre 7 a 14 anos: Nitzanim (7-10), Alonim (11 até Bar e Bat-mitsvá) e Sharsheret (Bar e Bat-mitsvá até o primeiro ano do Ensino Médio). O grande objetivo é transmitir conteúdos judaicos e ensinar valores universais. Para isso, é utilizada a filosofia da educação não-formal, ou seja, por meio de  brincadeiras e atividades especialmente elaboradas pela equipe de madrichim, as crianças aprendem se divertindo e brincando, com a supervisão de um coordenador psico/pedagógico e dos rabinos da Congregação. As colônias duram de 6 a 12 dias, dependendo da idade das crianças, e todas as refeições são preparadas na cozinha casher da sede, que também conta com acomodações confortáveis e quadra poliesportiva, além de 17 mil m² de área verde. Os rabinos da CIP acompanham as atividades e também dirigem, junto com os madrichim, os serviços religiosos que são realizados durante o acampamento. Por conta da grande variedade de chanichim, provenientes de diferentes escolas, o ambiente é perfeito para conhecer novas pessoas e cultivar amizades que nascem na Colônia da CIP duram a vida inteira.

 

Manhigut

Manhigut

Mahaluz

Mahaluz

Chazit Hanoar

Chazit Hanoar

O Movimento Juvenil Chazit Hanoar Hadrom Americait (Frente Juvenil da América do Sul) começou a ser formado no ano de 1959 com a criação de um grêmio de atividades gerais. Após várias alterações, acabou surgindo o Lehavá, que era um movimento juvenil educativo judaico, em 1960. Nesta época, em toda a Diáspora, surgiram movimentos juvenis, a maioria filiados a diferentes partidos políticos de Israel, mas sempre tendo o sionismo como principal bandeira. Durante um seminário realizado em Campos do Jordão, jovens da Congregação Israelita Paulista, da Associação Religiosa Israelita (ARI – RJ) e da Sociedade Israelita Brasileira (Sibra – RS) decidiram criar um movimento juvenil sionista apartidário. O modelo adotado foi o da Jazit haNoar, já existente na Argentina, Uruguai e Chile. Surgia, enfim, a Chazit Hanoar. Já em 1962, a tnuá (movimento juvenil) enviou o seu primeiro representante para o Machon Le Madrichim (curso para monitores), em Israel. Até os dias atuais, centenas de jovens já viajaram a Israel em programas oficiais e muitos fizeram aliá (imigração para Israel). Atualmente, as kvutzot são divididas por faixa etária, a partir dos 7 anos.

Os chaverim (ao pé da letra, amigos; integrantes do movimento) mais velhos participam de encontros periódicos com representantes das sedes que ainda estão ativas: Rio de Janeiro, Porto Alegre e Montevidéu. A Chazit Hanoar realiza atividades na Casa da Juventude da CIP com cerca de 180 jovens todos os sábados, às 14h, e machanot (acampamentos) nas férias.

Dança Israelense

Dança Israelense

O movimento de danças folclóricas israelenses da CIP tem finalidade educativa, comunitária e cultural. Fundado em 2005, completa oito anos de atividades em 2013 com cinco grupos de dança e cerca de 150 dançarinos entre 10 e 30 anos idade que ensaios semanais. O objetivo do movimento de danças da CIP é oferecer aos jovens judeus uma oportunidade de, por meio de grupos de dança israelense de bom nível técnico e estético, integrar-se à comunidade judaica, à comunidade CIP e a seu judaísmo, além de socializar-se com outros jovens e manter um vínculo com sua cultura e identidade familiar, com as festas judaicas e com Israel. Através do trabalho educativo com os grupos de dança e cursos os coreógrafos/educadores e outros líderes comunitários buscam ensinar valores e conteúdos judaicos, universais e de grupo aos participantes. Apesar de realizado com dançarinos amadores, o trabalho coreográfico é de alto nível, pois valoriza as culturas e a sensibilidade, a criatividade, e o desenvolvimento dos potenciais técnicos individuais. No desenrolar do processo de ensino leva-se em conta o caráter congregativo e social do grupo e principalmente a individualidade e bem estar de cada integrante. Acreditamos que a qualidade artística é uma ferramenta primordial para atingir esses objetivos. Os grupos mantêm um corpo de dançarinos ativos e de grande qualidade, que reúne jovens em torno de um trabalho cultural que permanece e frutifica na comunidade. Os grupos de dança da CIP já se apresentaram-se em diversos eventos dentro e fora da comunidade judaica, sendo os de maior destaque o Desfile das Escolas de Samba de 2011 compondo uma ala coreografada da Escola de Samba Pérola Negra com o enredo de “Abrahão, o patriarca da fé” no sambódromo do Anhembi. Além disso, apresentaram-se na Assembléia Legislativa, em projetos sociais do Criança Esperança, “Festival Carmel” de dança israelense e em festivais de dança israelense no Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Tidluk

Tidluk